Notícias Gerais

Sinpro-Rio envia ofício ao patronato comunicando estado de greve

24/05/2017


Professoras e professores, vejam abaixo o teor da carta enviada ao sindicato patronal e a todas as escolas particulares, com o resultado da assembleia realizada em 20 de maio:

"Ao Sinepe-Rio e às escolas particulares,

O Sinpro-Rio vem, por meio desta, informar ao Sinepe-Rio e a todos os estabelecimentos particulares de ensino da cidade do Rio de Janeiro, as deliberações da assembleia dos professores da Educação Básica, ocorrida no dia 20 de maio de 2017.

Após três reuniões paritárias realizadas entre as representações dos professores, através do seu sindicato (Sinpro-Rio), e do patronal (Sinepe-Rio), na última delas, foi rejeitada a pauta reivindicatória dos professores, objeto de negociação até então, sinalizando apenas um reajuste salarial de 4,57%. O sindicato patronal declarou ser esta a última proposta, sem sequer considerar outro item da pauta reivindicatória, enviada na abertura das negociações.

Não coube às professoras e professores presentes na assembleia senão a rejeição, de forma veemente, a tal proposta. A categoria decidiu entrar em Estado de Greve, agendando uma próxima assembleia para o dia 03 de junho de 2017, apostando na reabertura das negociações e  numa nova proposta patronal.

A relação entre as perdas salariais da categoria e o reajuste das mensalidades escolares deve ser considerada, na perspectiva de um acordo salarial que expresse, minimamente, a valorização profissional daqueles que possuem a importante função de educar, que não pode ser desrespeitada por esta proposta - um entrave nas negociações por parte dos representantes patronais. 

Caso o sindicato patronal permaneça desrespeitando professoras e professores, seja pelo reajuste salarial proposto, seja pelo impasse nas negociações, poderá haver um processo de radicalização materializado nas assembleias.

Em função disso, o Sinpro-Rio está  reafirmando a sua pauta reivindicatória inicial e irá  ao encontro da categoria, em todos os seus níveis, em assembleia permanente, nas salas dos professores ou nas portas das escolas, para debater tal impasse.

NEGOCIAÇÃO JÁ!!!!!!

Sinpro-Rio"



-